Harleyros do Blues

Criadas por dois jovens: Arthur Davidson e William S. Harley em 1903, (uma das marcas mais cobiçadas pelos amantes de motocicletas), as centenárias Harley-Davidson nasceram da ideia de se instalar um motor num quadro de bicicleta. Desde então ganhou adeptos apaixonados pelo mundo todo.

Neste cenário Harleyro temos a Blues Custom: uma banda de Blues de Rio Preto que possui integrantes motociclistas amantes do estilo Harley de ser. A banda tem 6 anos de estrada e milhares de Km rodados.

Confira a seguir uma aventura musical com o ronco inconfundível das motocicletas HD e o melhor do Blues em uma entrevista exclusiva:

Imagem

Integrantes:  Maurício Scaglioni (batera), Marquinho Munhoz (guitarra e gaita), Digão Perussi (baixo) e Roger (vocal e guitarra)

A banda tem quanto tempo de estrada?

A Blues Custom foi formada em 2008 em São José do Rio Preto, e desde então estamos rodando. Somos em quatro inegrantes: Roger (vocal/guita), Marquinhos (Guita/gaita), Maurício (batera) e Digão (baixo).

Qual é o balanço que vocês fazem desse tempo todo?

Está sendo muito bom! Percebemos uma forte evolução musical do grupo neste período. Somos uma banda democrática: sempre conversamos, expomos nossas opiniões, arranjos e composições em grupo, sempre dispostos a ouvir opiniões diversas em nome de um resultado musical que descende de todos integrantes. Passamos por vários obstáculos e continuamos de pé, em frente. O espírito da Blues Custom é este: continuar, mesmo vivendo uma realidade onde o Blues e Rock and Roll têm pouco espaço em nossa cultura. O público nos recebe sempre bem, seja na Capital ou no interior, pela diversidade de influências do nosso som, que vai do Heavy Metal à MPB, passando pelo Punk Rock e Rithm and Blues, são as influências que cada integrante traz à Blues Custom.

1964680_701270376562396_757066184_n

Vocês já rodaram quantos km juntos mais ou menos?

Rs…  Não fizemos esta conta, mas temos certeza que de que nunca vai ser o suficiente… temos a Blues Custom, as motos e uma grande amizade. Estamos sempre rodando de um jeito ou de outro.

Como foi tocar no MOTOROLETE do ano passado? Comente sobre a energia do publico e sobre a sensação de tocar no meio motociclista.

Foi muito legal! Nosso som tem tudo a ver com a estrada, motociclismo viagens e aventura. Nesse evento encontramos tudo isso a vibração, a energia das pessoas cantando e dançando com a gente. Nos sentimos honrados de poder fazer parte desta grande confraternização que é o Motorolete. O que pouca gente soube é a aventura pouco antes do show… rs… na noite anterior ao show, nosso baixista, o Digão, estava voltando do Paraná de carro e por volta de 1 hora da manha sofreu um acidente, nada grave mas o carro ficou totalmente destruído e em um local sem movimento e sem sinal de celular. Só conseguiu ajuda pra sair de lá as 7 horas da manhã e so conseguiu chegar em Rio Preto as 13horas. chegou subiu no palco e tocou no Motorolete.

ImagemA banda durante a apresentação no evento Motorolete 2013, realizado no clube de campo do Automóvel Clube em junho de 2013

Como é o repertório de vocês? Possuem músicas próprias?

Nosso foco é a composição. A Blues Custom é uma banda autoral e tem uma série de composições gravadas e em produção, além de executar músicas consagradas de grandes compositores, desenvolvemos arranjos de cada música, buscando nossa identidade musical e procurar divulgar ao público músicas que não estão no mainstream, mas que são memoráveis.

Qual é o conceito por trás das letras?

Acreditamos que não temos um conceito pré-estabelecido para nossas letras. No entanto gostamos muito de viagens, de motos, carros vintage, motores, estrada. Um cenário típico do mundo do Blues nos atrai também: “Whiskey and women”, que é o nome de uma música do John Lee Hooker, sintetiza o universo em três coisas fundamentais: o bar, as mulheres a estrada. Também escrevemos nossas letras inseridos numa realidade brasileira, que é um pouco diversa da norteamericana.

Quais motos vocês têm? Nome, marca e cilindrada. Vocês apelidaram suas motocicletas com nomes próprio? Porque escolheram esses nomes?

Rodamos com uma Road King, uma Heritage e uma Blackline, da Harley-Davidson e as três tem motores com 1584cc. Também em quatro rodas um Ford Galaxie 500, V8 ano 1973 leva a banda inteira e os instrumentos. É a nossa pedida quando está chovendo. Ou apelidos carinhosos. A Heritage ganhou o apelido de “Melissa” em homenagem à música do Gregg Allman do Allman Brothers, de 1968. A Blackline recebeu o nome de Karen, em homenagem póstuma à vocalista e baterista Karen Carpenter, que com sua bela voz encantou o mundo nos anos 1970.

Imagem

O blues é a única estrada seguida por vocês? Ou também tocam outros estilos?

Acreditamos não existir uma linha muito precisa separando o Blues do Rock And Roll e o Jazz. Assim como o Samba, o Blues é descendente das culturas musicais ancestrais africanas e se desenvolveu ao longo do tempo em vários lugares do mundo. Do Samba descendeu a MPB, do Blues e Jazz, o Rock And Roll. Todos têm a fantástica contribuição da cultura afro que transformou a música tonal tradicional em algo rítmico, pulsante, que contagiou o século 20 e mudou a direção da música mundial de até então.

O que veio primeiro? A paixão pela música ou pelo motociclismo?

Acreditamos que foi a música, porque começamos a tocar e compor ainda garotos, conquistamos a guitarra antes da motocicleta!

Como surgiu essa paixão especifica pela HARLEY?

Nossa paixão é pelo motociclismo, pela música e por este estilo de vida. Em especial as motos Custom nos atraem independente da marca, pela própria história da Harley-Davidson, pelas concepções da máquina, do motor, pela idéia da busca da liberdade e do prazer que só uma motocicleta proporciona.

ImagemEntre amigos em visita a concessionária Harley-Davidson® em Ribeirão Preto

Nietzsche tem uma frase que diz “Sem a música a vida seria um erro”. Vocês conseguem relacionar essa frase também ao motociclismo? No caso de vocês o motociclismo e a música andam juntos. Fale sobre isso.

Sem dúvida o filósofo é coberto de razão na sua afirmação. Porém nós, enquanto músicos, seríamos altamente suspeitos para afirmar! E enquanto motoqueiros, podemos dizer que seria um erro viver sem experimentar a vida em duas rodas. Tanto o motociclismo como a música é para nós fonte de lazer e de trabalho, talvez seja esta a mistura “mágica” da vida.

Anúncios

Sobre Jéssica Bárbara Cegarra

Copyright © 2008 Ltda. - Todos os direitos reservados. Ver todos os artigos de Jéssica Bárbara Cegarra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: